Sobre o Conteúdo do Blog

Blog de histórias reais e de ficção.
Um lugar para expor opiniões que provoquem dor ou delícia!
Qualquer semelhança com histórias ou comportamentos reais poderá ter sido mera coincidência. Ou não!



domingo, 26 de junho de 2011

Delícia de ser mestranda

Dziga Vertov em O homem com a câmera na mão  1929



Tudo começou numa mesa de bar. Daniel Basso, Ferraz Jr, meu Amor e eu, numa 5ª feira - chopp em dobro- no Brookling. Comentei minha vontade de voltar à sala de aula. Ferraz se animou e combinamos: Vamos fazer mestrado juntos na UFSCAR. Eu em Imagem e Som, ele em Ciência Política.
Primeiro dia de aula saio de Ribeirão 12h, chego a São Carlos 13h15, rodo no campus até as 15h15 sem conseguir localizar a sala de aula. Frustrada, volto aos prantos pela estrada a fora. A pergunta: Mas você não se informou? Ahhh até na prefeitura, mas ninguém chegava a uma conclusão sobre o local. Pensamento recorrente: Acho que não sirvo pra isso mesmo !!!
Semana seguinte, 245 mil e-mails trocados com o coitado do secretário do DAC, mapa do campus na mão, chego meia hora antes da aula e descubro que a professora não vai dar aula por 3 semanas. Frustrada, pego a estrada de volta, dessa vez puta por não ligado antes. Pensamento recorrente: Estaria o Universo conspirando contra meu mestrado?
Finalmente a primeira aula. Percebo que sou a tia da sala. Nenhum espanto, quando a gente volta a estudar 25 anos depois de formada. Na sala, todo tipo de aluno: o chato contestador que felizmente durou só 2 semanas, a mocinha intelectual, os super interados de todos os assuntos, aqueles que se sacrificam vindo de longe toda semana e aqueles que viram uns queridos logo de cara. Nessa categoria: Barcelos, Cris, Ana Cláudia, Patrícia, Janaina e Humberto.
Durante alguns meses assistimos a vários filmes, discutimos Freud, Gerard Genett, Cecília Almeida Salles, Tarkovsky, Bresson, Godard, Glauber entre outros.
Descobri Dziga Vertov, Pasolini e Bergman. Abandonei Guel Arraes – meu primeiro objeto de estudo – para abraçar sem reservas Júlio Bressane e seu Filme de Amor.
Semana passada, na terça, foi a última aula do semestre. Nossa querida Josette – sumidade em Glauber – nos manteve entretidos por 7 horas e confesso, não queria que acabasse. Saímos da UFSCar rumo ao Espaço Múltiplo, lugar ótimo que recomendo aos Sãocarlenses. Bate papo delicioso, caldos deliciosos, pizzas aperitivo boas demais, cervejinha gelada e o prazer da etapa cumprida.
Descobri que sou melhor aluna que imaginava ao ser elogiada pela professora. Percebi que perdi um tempão achando que não era capaz de fazer um mestrado e que foi preciso o incentivo – quase uma intimação- do meu marido para ter coragem para tal.
Vou sentir falta da turminha, do café com croassant de chocolate, do bate papo com Bar nas voltas para Ribeirão, mas sobretudo, vou sentir falta de falar sobre as maravilhas da sétima arte com pessoas tão generosas, tão respeitadoras e tão gentis, como foram meus colegas de sala. Obrigada moçada. Vocês são especiais !
No próximo semestre continuo, dessa vez como ouvinte para em 2012 pegar firme no projeto e sair da categoria “anda” para “estra”! 

Humberto, Barcelos, Ana Cláudia, Cris, Josette e Luiz.
 E, a propósito: - Ferraz, espero que se anime com meu ânimo e venha fazer aula no próximo semestre. 

Um comentário:

  1. Para variar mais um texto bem legal!! adorei
    bj

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...